Vivenciar a CFE 2021 nos passos dos Discípulos de Emaús

Publicado em: 29 dezembro 2020
Bernadete Seixas

No caminho rumo à Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) de 2021, a passagem dos discípulos de Emaús (Lc 24,13-35) é apresentada como “pano de fundo” das reflexões contidas no texto base. Durante o Seminário Nacional da CFE 2021, o subsecretário adjunto de Pastoral e assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Marcus Barbosa Guimarães, apresentou um “olhar pastoral” do texto dos discípulos de Emaús, relacionando com as reflexões da campanha.

Em 2021, a quinta CFE terá como tema “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor
e o lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade” (Ef. 2.14).

O convite dessa campanha, de acordo com padre Marcus, “é educar para o diálogo”. E é por meio dele e do testemunho da unidade na diversidade, “inspirados e inspiradas no amor de Cristo”, que a CFE 2021 quer “convidar comunidades de fé e pessoas de boa vontade para pensar, avaliar e identificar caminhos para a superação das polarizações e das violências que marcam o mundo atual”.

O caminho de Emaús

Assim como após a ressurreição Jesus caminha com os discípulos que retornam a Emaús, o Senhor “entra na nossa caminhada para abrir os nossos olhos, ensinar o diálogo, para nos animar na missão”, relaciona padre Marcus.

Nessa passagem, há um processo em três momentos, refletidos na metodologia ver, julgar e agir aplicada no texto-base da CFE 2021.

O processo de Emaús

“No primeiro momento, o ver, olhar a vida, e ver muitas vezes as escolhas que nós temos feito que não são escolhas de verdadeiros caminhos de fraternidade , mas são atalhos, são desvios de falta de comunhão, de falta de solidariedade, de rupturas entre nós”, contextualiza o padre.

É necessário, segundo Barbosa, “descobrir os projetos de vida que estamos desviando, também como Igrejas, e estão sendo desviados na nossa sociedade”.

Na parte do julgar, a CFE apresenta o convite a voltar-se a Jesus Cristo: “ouvir a palavra, escutar, dialogar, partilhar, como no processo dos discípulos de Emaús”.

Por fim, o chamado a envolver-se na missão, com palavras e, principalmente, com ações concretas. “É o momento do agir. É o terceiro capítulo do texto-base que, no processo dos discípulos de Emaús, a destinação é a missão”, indica padre Marcus.

Assim como os discípulos, “o coração arde, os olhos se abrem e o ardor, que agora reinicia na vida desses discípulos a paixão pela causa do Reino, o anúncio do Evangelho, a dimensão profunda da fraternidade”.

Assim como em Emaús, é no caminho que a experiência do diálogo gera fraternidade.

“Somente pelo diálogo, nos recorda essa Campanha da Fraternidade, nós conseguiremos ir profundamente nas questões da vida. A pedagogia do diálogo gera esperança, constrói pontes, sempre no caminho, porque é um processo. Também nós que estamos na caminhada somos aprendizes do diálogo que gera esperança, e por ele se constroem pontes, se derrubam muros”, afirmou padre Marcus Barbosa.

Fonte: CNBB
Compartilhe com seus amigos: