Padre Carlos César participa e representa Diocese no Seminário Preservação dos bens culturais da Igreja no Brasil

Publicado em: 25 outubro 2017
Bernadete Seixas

Padre Carlos César de Faria esteve nos dias 23 e 24 de outubro, no Campus Coração Eucarístico, participando e representando a Diocese de Luz no Seminário Preservação dos Bens Culturais da Igreja do Brasil, promovido pelo Núcleo de Estudos e Pesquisa em Pastoral da Cultura (Nepac), do Anima PUC Minas – Sistema Avançado de Formação, pela Arquidiocese de Belo Horizonte e pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O evento de dois dias foi realizado no auditório 1 do prédio 4, teve como objetivo estabelecer diretrizes para a atuação da comunidade acadêmica, eclesiástica, profissional e social envolvida na preservação dos bens culturais da Igreja, criando um espaço de diálogo e conhecimento quanto à preservação desses bens.

Estiveram presentes na mesa de abertura o padre Márcio Antônio de Paiva, chefe do Departamento e coordenador do Colegiado do Curso de Filosofia; Dom Geovane Luís da Silva, bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte; a promotora de Justiça do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Giselle Ribeiro de Oliveira; a delegada da Polícia Federal, Fátima Zulmira Rodrigues Bassalo; e Sérgio Alexandre, representando o secretário de Cultura de Sabará, Hamilton Alves.

Segundo o padre Márcio de Paiva, ressaltou sobre a preservação dos bens culturais em uma sociedade marcada pela cultura do descartável, que não é uma tarefa fácil, mas um desafio permanente, pois envolve muitos atores e instituições no entendimento do que significa um bem cultural na vida da humanidade. “Eles são um verdadeiro lugar antropológico. Diante da produção cultural, podemos entender os costumes e hábitos de um povo, suas forças morais e seus elementos estéticos”, disse.

Para Dom Geovane Silva, a Igreja, enquanto instituição por direito originário independentemente da autoridade civil, pode adquirir, administrar e possuir bens temporais para a consecução dos seus fins. Dentre as finalidades que a Igreja tem, ele cita como bens a evangelização, a catequese e a liturgia, as quais, segundo o bispo, se destinam em grande parte a produções artísticas desenvolvidas ao longo dos séculos. “O conceito de bens culturais na Igreja está intimamente ligado à consciência que ela tem da sua missão. No horizonte amplo e complexo desses bens, podemos distinguir três níveis de compreensão desse mesmo conceito: os colocados diretamente a serviço da missão da Igreja, como a arquitetura, a pintura, a escultura, o mosaico e a música; aqueles a serviço da cultura e história eclesial, como bibliotecas, documentos históricos e arquivos; e os produzidos pelos meios de comunicação de massa, possuidores de valores artísticos e eclesiais, como obras literárias, teatro e cinema, por exemplo”, falou. Dom Giovani afirma que a preservação dos bens culturais da Igreja evidencia também sua finalidade cultural, social e evangelizadora, pois, de acordo com ele, a arte é um elemento fundamental para a transmissão da fé.

A promotora de Justiça Giselle de Oliveira ressaltou como a concretização do esforço da Igreja Católica no Brasil em preservar seus bens culturais a criação, em maio de 2017, da Comissão Episcopal Especial para os Bens Culturais, da CNBB, e alega que, em Minas Gerais, a fé e a religiosidade estão enraizadas na cultura. “Faz parte da tradição de todos nós e, nesse contexto, esses bens configuram-se não apenas como testemunhos da religiosidade e da fé, mas também revelam aspectos históricos, que muitas vezes são a materialização da tradição, da memória e da identidade do povo mineiro. Portanto, é interesse coletivo, não somente daqueles que professam a religião católica. Esses bens já são configurados como arte”, garante.

Em seguida, houve a conferência mediada pelo professor e membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Pastoral da Cultura (Nepac), Aurino José Goes, e proferida pela promotora de Justiça do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Giselle Ribeiro de Oliveira, pelo padre Nivaldo Magela de Almeida Rodrigues, professor do Instituto de Filosofia e Teologia Dom João Resende Costa (IFTDJ) da PUC Minas, e pelo padre Helton Ferreira Rodrigues, membro da Comissão Episcopal Pastoral Especial para os Bens Culturais da Igreja no Brasil, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Compartilhe com seus amigos: