Diocese divulga novo decreto com alguns princípios que nortearão às paróquias e aos párocos

Publicado em: 6 abril 2021
Bernadete Seixas

Queridos Padres, Saudações em Cristo Ressuscitado!

No último domingo (04/04), findou-se o prazo estabelecido no Decreto Nº. 026/2021, no qual, devido ao agravamento da Pandemia da Covid-19 e a sobrecarga do sistema de saúde, determinávamos a suspensão de todas as celebrações e atividades religiosas presencias.

Agora, volto a me comunicar, por causa de novas questões que vem surgindo e que pede de nós reconsiderações e ajustes constantes nos encaminhamentos pastorais, pautando acima de tudo pelo primado da vida, diante deste cenário ainda incerto de Pandemia. Sendo assim, deixo-vos aqui, alguns princípios que nortearão a reflexão dos Párocos e demais Padres, sobre o momento seguro e oportuno para retomar, segundo as condições possíveis, as atividades presenciais:

1. Vamos seguir com a mesma prudência, de acordo com a realidade de cada Município e a consciência de cada um acerca da gravidade ou não da situação local, manifestando sempre o nosso compromisso com a cidadania e solidariedade, perguntando-se: como a Igreja pode estar contribuindo?

2. Não somos obrigados por nenhuma lei, o espaço interior das nossas Igrejas é administrado por nós! Até se nos mandam abrir, mas em consciência não sintamos que seja oportuno e prudente, não celebraremos com presença de fiéis, apenas manteremos as Igrejas abertas e incentivando os fiéis a acompanharem as celebrações e os momentos de espiritualidade através das transmissões em mídias sociais, deixando sempre claro aos fiéis qual é a nossa posição e em que se fundamenta.

3. A não ser que a situação exija o contrário, deixarei que os padres de cada cidade reflitam e tomem suas decisões, ressaltando aqui dois princípios também fundamentais, a colaboração com a causa da NÃO DISSEMINAÇÃO DO VÍRUS e a necessidade de buscar um posicionamento comum para as Paróquias de uma mesma cidade.

4. Levar sempre em consideração as prescrições sanitárias de prevenção do contágio (distanciamento, o percentual de fiéis permitidos segundo as condições do Templo, utilização de máscaras, álcool em gel, higienização dos espaços etc). Todos esses procedimentos e ações não são apenas por cumprimento de OBRIGAÇÕES EXTERNAS OU LEGAIS, mas por cuidado com a nossa própria vida e daqueles que nos foram confiados.

Peço a colaboração de todos para que possamos realizar o que for possível, dentro da devida segurança, minimizando ao máximo os possíveis riscos de agravamento desta enfermidade que já vitimou inúmeras vidas e noutras deixa graves consequências.

Que sustentado pela força do Cristo Ressuscitado irradiemos esperança em meio ao nosso povo e que vivendo a caridade encontremos formas de aliviar os pesados fardos impostos por esta crise sanitária que desencadeou tantas outras crises. Dado e passado na Cúria Diocesana de Luz, sob nosso Selo e Sinal de nossas armas, aos 05 dias do mês de abril do ano de 2021.

Dom José Aristeu Vieira – Bispo Diocesano de Luz

Pe. Marcos Tiago da Silva – Chanceler

Prot. N°. 559 Reg. N°. 559/2021 Livro N°. RG – VII – Fl. N°. 82

 

Comunicado DJAV Luz, 05 de abril de 2021

Compartilhe com seus amigos: