Coordenação diocesana da Catequese escreve carta às catequistas

Publicado em: 13 agosto 2020
Pascom

Prezados (as) Catequistas da Diocese de Luz, paz e bem!

Há mais de quatro meses o “coronavírus” colocou a nossa vida de pernas para o ar, tudo mudou. O que estava programado não mais acontecia. A ordem máxima é permanecer dentro de casa. De repente, estávamos impedidos de fazer aquelas coisas que preenchiam o nosso dia. Mas tudo na vida tem dois lados. Este momento, também, oferece condições de viver a vida de um outro modo. Não podemos sair de casa e ficamos impedidos de fazer as nossas coisas do dia a dia. Mas estamos vivos e podemos fazer outras tantas coisas dentro de casa e que são importantes para nossa vida.

 A partir do contexto que a humanidade inteira vive no momento, onde sob a ameaça da pandemia do coronavírus, que tem feito tragédia de grandes proporções em várias partes do mundo e diante dos apelos da Campanha da Fraternidade 2020, a vivermos a vida como dom e compromisso, cuidando uns dos outros, considerando as medidas preventivas ditadas pelas autoridades de saúde a nível Municipal, Estadual e Federal, que asseguram o grave perigo de contaminação em se tratando de aglomeração de pessoas, informamos que os encontros presenciais da catequese continuam suspensos em todas as paróquias até segunda ordem, uma vez que o último decreto emitido pela nossa Diocese (nº 022/2020 de 18 de março) ainda não teve nenhuma alteração, a não ser o retorno das celebrações eucarísticas com a presença do povo, sendo observadas as medidas sanitárias de prevenção ao contágio do coronavírus, de acordo com as orientações da secretaria de saúde de cada município, e com o Projeto “De Novo em Comunidade”, datado de 10 de junho de 2020.

É compreensível que todos estejam apreensivo(a)s porque não se pode fixar a data das primeiras comunhões e das crismas. Pedimos que não se angustiem com esta situação. As crismas e primeiras comunhões acontecerão quando for possível. Em todo caso, mais importante que a data do calendário é que a presença de Jesus na vida de cada um. Devemos invocar a presença de Jesus em todas as situações da nossa vida, mesmo nestes tempos de pandemia.

A tradição apostólica nos ensina que em tempos difíceis de estarmos reunidos para celebrar nossa fé e nos alimentarmos da Palavra de Deus, temos que encontrar meios para permanecermos juntos. O apóstolo Paulo, quando estava distante, escrevia cartas para orientar as comunidades cristãs que fundou. Era uma forma de se fazer próximo com os meios disponíveis na época: “Não precisamos vos escrever sobre o amor fraterno, pois aprendestes pessoalmente de Deus a amar-vos mutuamente, e é o que fazeis muito bem para com todos os irmãos em todos a Macedônia. Nós, porém vos exortamos irmãos, a progredir cada vez mais” (1 Ts 4,10). Portanto, fiéis aos ensinamentos dos apóstolos, queremos encontrar meios para manter nossas pequenas comunidades catequéticas unidas em oração, na caridade e na escuta da Palavra de Deus nesse momento de isolamento por causa da pandemia.

Sabemos do grande esforço que estão fazendo para manter contato com os catequizandos, usando as redes sociais e outros meios. E as novas gerações entendem bastante do uso deste aparelhinho chamado celular. Aproveitamos para incentivar que mantenham este vínculo, dessa maneira, podemos por exemplo:

  • Manter nosso contato pelas redes sociais, para rezar, orientar, cuidar-nos mutuamente;
  • Determinar um horário em comum, no qual todos ao mesmo tempo, mesmo não estando juntos fisicamente, faz a mesma oração, com as mesmas intenções.
  • Pedir que cada catequizando tenha em sua casa o seu cantinho de oração, onde se unirá aos outros no dia e hora combinados para rezar. O cantinho de oração ajuda a entrar em clima de oração, podendo acender uma vela, colocar uma imagem, o livro da catequese, qualquer outro sinal, como a bíblia, para aquele que tem a possibilidade.
  • Enviar pequenas orações, ou Pai Nosso e Ave Maria, trechos bíblicos, vídeos se tiver.
  • Orientar os catequizandos para pequenas tarefas, seja com ações, ou enviando feedback para o catequista.
  • A oração e a catequese, quando possível, pode ser ainda mais enriquecida envolvendo todos os membros da família, pois nestes tempos difíceis a Igreja orienta que a Igreja Doméstica permaneça unida.

Com paciência, bom senso e com muita fé haveremos de encontrar o melhor caminho para os catequizandos que o Senhor e a comunidade nos confiam. Passado o tempo da pandemia, retornaremos com nova motivação ao processo catequético normal, recuperando o que não foi possível realizar durante o intervalo forçado pelo coronavírus, mesmo que algumas datas tenham que ser reajustadas. O mais importante é a devida preparação dos catequizandos. Eles merecem o melhor!

Pedimos a vocês um pouco mais de paciência e juntos vamos aguardar as próximas orientações do nosso bispo diocesano.

Fiquemos em sintonia com a Igreja Particular de Luz, com fé em Deus, brevemente essa tempestade vai passar.

Aproveitando a oportunidade da comunicação, queremos lembrar que… “na história de vida temos lembranças que não se apagam, de modo especial na educação da fé e dos valores cristãos recebidos. Uma dessas lembranças é a pessoa do catequista que nos ajudou a descobrir, aprofundar e cultivar a fé, a vida comunitária, a ética e a cidadania. Catequista, você é uma pérola especial e um tesouro para Deus e sua amada Igreja. A sua singular vocação foi gerada no coração de Deus Pai, para que pudesse chegar aos corações dos seus filhos e filhas com a mensagem da vida – Jesus Cristo.

Ouve a voz de Deus que o/a convida a ser comprometido na missão de construir um mundo novo. Descobre-se limitado/a e, por isso, se coloca a caminho, em busca de formação, de reflexões, de conversas, de partilhas de experiências. É capaz de perder noites de sono, dedicar fins de semana em encontros formativos, dedicar dias inteiros a estudar, a ler bons livros, porque sabe que a educação da fé, a iniciação à vida cristã é uma arte que precisa de dedicação, doação, competência, linguagem e espiritualidade. Você não é apenas um transmissor de ideias, conhecimentos, doutrina ou, mais ainda, um professor de conteúdos e teorias, mas é um canal da experiência viva do encontro pessoal com a pessoa de Jesus Cristo. Poderíamos dizer muitas coisas, palavras eloquentes e profundas, mas uma só é necessária: Deus lhe pague! E que a força da Palavra continue a suscitar-lhe a fé e o compromisso missionário!”

Unidos na oração, nosso abraço fraterno! Luz, 06 de agosto de 2020.

Coordenação Diocesana de Catequese

Dagmar Moreira

Luiz Henrique Coutinho

Pe. Denison Costa 

Compartilhe com seus amigos: