Saiba mais sobre o Centro de Memória Nossa Senhora da Assunção

O Palácio Episcopal da Assunção é um símbolo do governo diocesano. O nome do prédio é uma homenagem à Arquidiocese de Mariana, nossa Arquidiocese-Mãe, evocativo de sua padroeira.

A construção foi erguida em estilo greco-romano em 1921, pelo padre Joaquim das Neves Parreiras, para servir de residência dos Bispos e para abrigar a Cúria Diocesana de Aterrado. Aqui residiram ou trabalharam todos os cinco bispos de Luz e diversos padres.

Na década de 1980, Dom Belchior Joaquim da Silva Neto deu início à chamada “Galeria Diocesana”, onde reuniu e preservou peças e fotos que contam a história do Bispado.

Tais quais as antigas catacumbas romanas, onde se principiou a profissão da fé cristã, as galerias na parte inferior deste Palácio revelam uma mística especial. Naquele espaço, centenas de homens se reuniam para os retiros espirituais de Dom Manoel Nunes Coelho, foi o primeiro guardião do acervo que ora compõe o Centro de Memória.

Desde 2011, após a restauração do Palácio, o acervo foi recuperado e transferido para a parte superior do prédio, que, aos poucos, foi sendo transformado em museu, posto que restritas as visitações.

No domingo, 25 de fevereiro de 2018, então, foi inaugurado e aberto para ampla visitação pública do “Centro de Memória Nossa Senhora da Assunção”, da Diocese de Luz.

Assim, podemos parafrasear Dom Manoel Nunes Coelho: “Luzenses e diocesanos, olhai para o torreão deste Palácio Episcopal. Daqui deste alto, 100 anos vos contemplam!!!”

Fonte: Iácones Batista Vargas
Pesquisador Luzense.
Associado Efetivo do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais

Compartilhe com seus amigos: