Igreja e meio ambiente, olhos voltados para a Amazônia

Publicado em: 16 setembro 2019

Papa Francisco, exercendo sua missão de sucessor do apóstolo Pedro, no zelo apostólico com o povo da Amazônia e para qualificar sempre mais a presença missionária e servidora da Igreja Católica, convocou um Sínodo Especial para a Amazônia, a ser realizado de 6 a 27 de outubro deste ano, em Roma.

Sabe-se que a Igreja Católica, incontestavelmente, tem uma qualificada presença capilar em diferentes culturas de todo o mundo e sua presença na região pan-amazônica é de especial importância, com todos os muitos desafios e exigências. Lidar com essas exigências e desafios requer o exercício da escuta para servir mais e melhor no anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. O Sínodo é, pois, um longo caminho de escuta. Oportunidade para a Igreja Católica qualificar ainda mais a sua missão na Amazônia, oferecendo a todos singular chance de se dedicar mais atenção a essa realidade ambiental, histórica, cultural, política e religiosa de notável relevância. Por isso mesmo, a realização do Sínodo interpela as pessoas a ouvirem a Amazônia, repleta de vida e sabedoria.

Igreja e meio ambiente, olhos voltados para a Amazônia

Cuidar do meio ambiente é cuidar da Casa Comum que Deus nos deu, e olhar para a Amazônia é essencial para este falar deste tema

Essa realidade clama e exige novas posturas para enfrentar o doloroso processo de desflorestamento e extrativismo, urgindo uma conversão ecológica integral. A consideração do território amazônico deve se transformar em grande oportunidade de mudanças sociais e civilizatórias com ganhos para essa região e todo o conjunto da sociedade. Essa é a valiosa contribuição promovida pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM), alargando e clareando horizontes para um tempo de muitas conversões. De modo especial, é urgente a conversão ecológica para assimilação de novos rumos e, em razão das ricas singularidades, ouvir a voz da Amazônia.

É preciso considerar a grave crise socioambiental em curso, atingindo de modo fatal a Amazônia. Ora, a Amazônia é fonte de vida. Por isso, o Sínodo considera o conjunto da vida na região amazônica – o território, a Igreja, os povos e o planeta. Avançar na consideração da Amazônia a partir dos parâmetros da ecologia integral é determinante. O horizonte é o Evangelho de Jesus Cristo e a Igreja Católica com sua presença evangelizadora é essencial. Seu foco mais importante é, pois, o discipulado no seguimento de Jesus Cristo, desdobrado em compromisso com a vida plena, oferta de Jesus que todos têm a responsabilidade de buscar, contemplando os povos indígenas –  respeitados os seus parâmetros de bem viver. Cultivar a harmonia consigo mesmo, com a natureza, com os seres humanos e com Deus é a conquista exemplar a ser buscada.

Descuidar da natureza também é descuidar da vida

Há de se encontrar caminhos para superar os processos que ameaçam a vida, pela destruição e exploração que depreda a Casa Comum e viola direitos humanos elementares da população amazônica. Essa ameaça à vida deriva de interesses econômicos e políticos de setores dominantes da sociedade com conivências de governos. É preciso, assim, enfrentar a exploração irracional e construir um novo tempo, tempo de Deus, humanizado, na Amazônia.

Importa agora estar em comunhão com esse caminho. Isso significa buscar uma participação mais ativa e estar aberto a um novo modo de viver, conforme a dinâmica do Evangelho de Jesus Cristo. Um momento para aprender e exercitar-se numa nova compreensão. Deixar-se educar à luz da Palavra de Deus, que revela a aliança fecunda entre a humanidade e o ambiente, para uma cultura do encantamento, do cuidado responsável e da beleza, inspirados no Criador que “viu que tudo era bom” (Gn 1, 31). Eis a oportunidade para grande virada civilizatória, a partir de nova compreensão desdobrada em comprometimentos com os valores do Evangelho de Jesus Cristo pela força missionária da Igreja na Amazônia.

Fonte: CN

Compartilhe com seus amigos: