A arte dos presépios e seu lugar nas Igrejas

Além de Papai Noel, presentes e pinheirinhos ornamentados, o mês de dezembro no Brasil nos traz outra tradição: os presépios – arte que remonta e celebra o nascimento do menino Jesus em Belém, na Judéia. Neste tempo natalino, é possível encontrar presépios em vitrines, praças e nas decorações caseiras em todo o país e até fora dele.

Feitos de vários tamanhos, cores e materiais, o presépio napolitano surgiu no ano de 1223, na pequena cidade italiana de Greccio. Para ajudar os camponeses, em sua maioria iletrados, a compreenderem as Sagradas Escrituras, São Francisco de Assis encenou pela primeira vez o nascimento do Menino Deus. O termo presépio vem do latim Praesaepe, que significa estrebaria ou curral. Em 1290, a igreja de Santa Maria Maior, em Roma, foi reformada e nela instalada a Capela do Presépio, que abriga a gruta que sob o altar permanece o pedaço de rocha que serviu como manjedoura.

Na tradição católica, o presépio é uma das formas mais antigas de ajudar os fiéis a visualizarem o mistério da encarnação do Filho de Deus, Jesus Cristo, e sempre traz a manjedoura onde o menino nasceu, os animais que estavam presentes, os três reis magos e os pais do Menino, José e Maria. Segundo o assessor do Setor Espaço Litúrgico da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Thiago Faccini Paro, o presépio não é um símbolo litúrgico, e não pertence à liturgia. Porém, na liturgia se utiliza muitas coisas que não pertencem a ela, como é o caso do presépio, que torna-se um sinal visível, didático e pedagógico que ajuda os fiéis a celebrarem e compreenderem a liturgia do tempo do Natal.

“Não se tem uma explicação teológica para o presépio. Ele pertence à piedade popular… e cada povo tem suas tradições e maneiras de interpretar os elementos que o compõem”, ressaltou.

De acordo com o padre, o presépio é importante, desde que seja visto e compreendido no espirito próprio daquele tempo litúrgico, no qual este não deve ter mais valor e importância do que a ação simbólico-ritual própria das celebrações dos tempos do Advento e Natal.

Foi com esse gesto de ajudar a comunidade a se preparar para a celebração do nascimento de Jesus que a juventude franciscana de Castanhal montou o presépio e acabou vivenciando uma experiência pessoal de fé. Na reta final da construção, eles decidiram passar o dia na Igreja. Na hora do almoço, a paróquia fechada, entrou um senhor malvestido e sentou no penúltimo banco. Eles ficaram com medo, mas o homem disse que era catador e queria apenas pedir uma doação de alimento. Como a Igreja só reabriria por volta das 14h, o grupo então, decidiu convidar o homem para almoçar. “Sentamos à mesa e partilhamos nossas vidas. No final, fizemos duas cestas básicas e demos ao seu Carlos. Ele chorou, agradeceu, abraçou cada um de nós e deu feliz Natal. E quando nós terminamos o presépio, todos muito emocionados naquela tarde, fazendo memória deste fato, lembramos que todos os dias durante a construção do presépio a nossa esperança era de ver Jesus, e no último dia, quando nós concluímos o presépio, Ele veio da mesma forma como veio a primeira vez na pessoa de um pobre. Ele não somente veio, não somente o vimos, como nós sentamos à mesa com Ele, ceiamos e Ele nos desejou um feliz Natal”.

Emocionado, Vítor disse que este momento foi “uma experiência fantástica”: “mudou a minha perspectiva de vida, me firmou no meu carisma e na minha espiritualidade franciscana e na cada um dos meus jovens também”.

Na tradição católica, para a montagem do presépio é preciso levar em conta a espiritualidade e o sentido do tempo litúrgico do Advento, que tem duas finalidades: refletir sobre a segunda vinda de Cristo (nos dois primeiros domingos) e a preparação para o Natal de Jesus (no terceiro e quarto domingos).

Segundo o assessor do Espaço Litúrgico da CNBB, padre Thiago Faccini Paro, o presépio só deveria ser montado após o segundo domingo do Advento, em um local discreto e de preferência fora do presbitério. Nunca na frente do altar, centro do espaço celebrativo e que nunca deve ser ofuscado ou escondido por excesso de flores, toalhas etc. Já a desmontagem deve ser feita após a festa da Epifania do Senhor, que ocorre no primeiro domingo após o primeiro de janeiro, popularmente conhecida como “Festa dos Santos Reis”.

Em desenho, escultura ou pintura, a tradição de montar presépio ganhou o mundo. No Brasil, chegou no século XVII e foi montado pela primeira vez em Olinda (PE) pelo religioso Gaspar de Santo Agostinho.

Fonte: Portal Canção Nova

Desenvolvido por: logo celula