43ª Assembleia Ordinária da Pastoral Familiar pensa atuação a partir das novas DGAE 2019-2023

Publicado em: 8 julho 2019
Bernadete Seixas

Casais coordenadores regionais da Pastoral Familiar, padres assessores, bispos referenciais, representantes de movimentos, organismos e institutos de família e membros da coordenação da Comissão Nacional estiveram reunidos de 05 a 07 de julho, em Brasília-DF, para a 43ª Assembleia Ordinária da Pastoral Familiar.

O evento promovido anualmente pela Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família (CEPVF) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) trabalhou a perspectiva da Pastoral Familiar no contexto das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizara (DGAE) 2019-2023 da Igreja no Brasil.

Como decisões desta assembleia, a Pastoral Familiar na Igreja no Brasil buscará fortalecer três setores: pré-matrimoniais, pós matrimoniais e casos especiais como os casais de segunda união, idosos e viúvos. “Esses três setores são a vida da Igreja. O ponto de partida e chegada. As novas diretrizes falam da casa que tem a porta aberta para entrar e sair. Como Pastoral Familiar, se nós abrirmos vamos ter uma Igreja mais viva, se fecharmos nós estamos comprometendo a própria Evangelização”, destacou o bispo de Rio Grande (RS) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, dom Ricardo Hoepers.

Dom Ricardo, que fez a abertura do encontro, expôs que o foco do trabalho da Pastoral Familiar será na dimensão urbana. “Os maiores desafios da Pastoral Familiar estão na área urbana, as cidades, os núcleos familiares, as dificuldades de convivência, a questão da adolescência, juventude e idosos. A vida urbana está trazendo, de alguma maneira, a fragmentação desse núcleo familiar. As novas diretrizes vêm a esse encontro”, disse.

Durante o encontro, os casais coordenadores apresentaram um mapeamento de como tem sido feito o trabalho da Pastoral Família nos regionais, arqui/dioceses e paróquias. Segundo o bispo, um trabalho bem articulado. “Por isso, aquilo que nós propomos na Assembleia Geral dos Bispos tem um potencial de chegar às bases porque eles estão articulados para isso”, destacou.

Compartilhe com seus amigos: